Tags

, , , , , , , , , , ,

Cine 42

 

 

 

 

 

Cine 42 Preview de volta para comentar rapidamente sobre três filmes bastante aguardados que estrearão em breve (O Hobbit, já em dezembro) ou nem tanto assim (Vingadores e Jurassic World, apenas em 2015) no Brasil.

A trilogia de O Hobbit chega ao fim. O universo da Terra Média ganha um novo último capítulo, depois da trilogia O Senhor dos Anéis ganhar vida no início dos anos 2000. A decepção com os primeiros filmes, em especial o segundo, ainda nos deixam com um pé atrás. Mas para quem queria ver ação e batalhas épicas envolvendo vários seres fantásticos parece que Peter Jackson vai entregar.

A Batalha dos Cinco Exércitos vai retomar a história de onde ela parou, com Smaug partindo para destruir o pequeno vilarejo de Dale. Neste filme, Erebor, a Montanha Solitária, será retomada pelos anões. Mas tamanho tesouro não seria entregue sem uma guerra que envolverá humanos, elfos, orcs, wargs, morcegos e águias gigantes. Para completar, personagens clássicos da trilogia original tem participação ressaltada como Saruman, Gandalf, Galadriel, Legolas, Elrond e o vilão Sauron, provavelmente para amarrar as pontas soltas dos filmes anteriores (o Necromante e até mesmo os Nazgul serão apresentados) e servirão como ponte para conduzir à história da trilogia do Senhor dos Anéis.

O personagem principal e título da nova trilogia é que mal aparece no trailer e provavelmente terá papel secundário no filme. Ao invés de reforçar essa importância, Jackson prefere investir tempo na malfadada missão de criar um elo amoroso entre um dos anões e a elfa Tauriel – que no trailer parecem trocar alianças.

Como Gandalf pergunta ao fim, resta apenas uma pergunta a ser respondida: “Como será que esse dia vai terminar?”. Cine 42 estará lá para conferir, na esperança de que o último seja melhor do que os primeiros e de que toda essa longa saga valha a pena.

O trailer acima é dos Vingadores 2 – A Era de Ultron, que começa justamente com o cartão de visitas do novo vilão e seu discurso sobre a necessidade de extinção humana. Eu gostava mais da versão estendida que começava com os Vingadores num jantar informal entre amigos e a brincadeira de tentarem levantar o encantado Mjolnir, o martelo do Thor.

O foco do trailer é todo em apresentar a ameaça de Ultron e seu discurso sobre as pessoas clamando por misericórdia como marionetes presas por cordas enquanto ele, não está preso por nada e nem ninguém. É claro que para valorizar um filme que reúne alguns dos principais heróis da Marvel é necessário, justamente, destacar aquele que poderia contrapor-se a tamanho poder. Neste sentido, o trailer não é tão feliz, pois nos cortes rápidos de batalhas que se sucedem não vemos claramente contra o que estão os heróis a lutar. Há vários robôs surgindo e há Ultron, mas em geral os heróis aparecem interagindo entre si e até a batalha de maior destaque se dá entre Hulk e o vitaminado Homem de Ferro, em sua Hulkbuster (armadura especial justamente para combater o Hulk).

O filme introduz os irmãos Mercúrio e Feiticeira Escarlate… e ver o escudo do Capitão América partido ao meio dá um tom melancólico que fecha bem o que foi mostrado e realça o interesse.

Para fechar o Cine 42 Preview de hoje, vamos ao recente trailer de Jurassic World.

Trata-se da quarta parte da trilogia iniciada por Spielberg no início dos anos 90 e que estava adormecida em âmbar desde o terceiro episódio de 2001. Sou daqueles que acham que apenas o primeiro e revolucionário volume deveriam ter existido, mas vamos em frente…

O conceito empresarial de criar um parque de diversões povoado por dinossauros, história do filme original, vingou e agora podemos mandar, tranquilamente, nossos filhos passarem férias encantadoras na ilha Nublar em meio aos seres pré-históricos, ainda que seja doentio ver um mega-jacaré alimentando-se de um tubarão com plateia filmando e depois sendo banhada, em uma versão jurássica do que hoje fazemos com baleias.

Mas é aí que a cientista vivida por Bryce Dallas Howard aparece e anuncia que avançamos muito em nosso conhecimento de genética ao ponto de desenvolvermos um híbrido geneticamente modificado, seja lá o que isso for, significa encrenca e os pobres jovens que foram enviados em segurança pela família para se divertir vão virar presa… mas caberá a Chris Pratt (em alta desde Guardiões da Galáxia) salvar o dia. O tal híbrido é apresentado como uma espécie de Predador, disposto a matar qualquer coisa que se mova.

Não pareceu nada original e os efeitos não impressionam como quando o primeiro filme saiu. Logo, não empolga. A não ser que se assuma como um filme de monstro e consiga criar um bom suspense. A ver.

 

Anúncios